Bairrada Produtores Turismo Vinhos Wines

Manuel dos Santos Campolargo

Este é um produtor que anda pelo próprio pé e age de acordo com o que pensa, sem se deixar influenciar por quaisquer orientações ou dogmas vínicos.

Este é um produtor que anda pelo próprio pé e age de acordo com o que pensa, sem se deixar influenciar por quaisquer orientações ou dogmas vínicos.

Adega Campolargo
Quinta de S. Mateus
3780- 180 S. Mateus
S. Lourenço do Bairro – Anadia
Portugal

Tel: +351 231 519 000
Fax: +351 231 519 009
Skype: Campolargo Vinhos

Este é um produtor que anda pelo próprio pé e age de acordo com o que pensa, sem se deixar influenciar por quaisquer orientações ou dogmas vínicos.

Assim sendo e sem surpresa, neste ano de 2014, o seu Cerceal Branco conquistou o troféu de Melhor Vinho para no prestigiado concurso, International Wine Challenge, tanto para mais com uma casta autócone.
Assim sendo e sem surpresa, neste ano de 2014, o seu Cerceal Branco conquistou o troféu de Melhor Vinho para no prestigiado concurso, International Wine Challenge, tanto para mais com uma casta autócone.
Sendo da região da Bairrada, é ainda um produtor que aposta muito mais em vinhos de mesa,e menos em espumantes. Tudo numa linha de orientação para a qualidade de excelência que sempre nos habituou.
Sendo da região da Bairrada, é ainda um produtor que aposta muito mais em vinhos de mesa,e menos em espumantes. Tudo numa linha de orientação para a qualidade de excelência que sempre nos habituou.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

As propriedades onde se situam as vinhas, são-lhe herdadas e legadas com o peso de mais de dois séculos acumulados pela família. Seu avô, Martinho, após sua morte, entregou a Manuel toda a sua riqueza, as vinhas e um projeto sólido.

De referir que o Sr Marinho, era dos raros produtores que separavam uvas tintas das brancas, sendo muito conhecidos pelos seus brancos, sendo depois de transformados os mostos, vendidos os vinhos a granel a engarrafadores.

Meados dos anos 90, representa o arranque no ensaio de diversas castas, sendo pioneiros em diversas exógenas. Se existe quem plante por exemplo, Merlot, Cabernet Sauvignon ou Chardonnay, na Bairrada devem a Manuel dos Santos Campolargo, todos os seus ensaios que refira-se, estão documentados, com todas as características das castas e melhor forma de condução das respetivas vinhas.

A primeira colheita para a marca Campolargo ocorreu em 2000, no virar do milénio portanto.

ALGUM PORTEFÓLIO

AS VINHAS

“As nossas agrupam-se em duas propriedades: Quinta de S. Mateus, 110ha. na freguesia de S. Lourenço do Bairro e Quinta de Vale de Azar, 60ha. na freguesia de Arcos.
Nesta última os terrenos são, predominantemente, argilo-arenosos, com pequenas zonas de calcário.

A exposição é, na maior parte, a sul e a poente.
Estão plantadas parcelas de Baga, Touriga Nacional, Tinta Barroca, Pinot Noir, Trincadeira da Bairrada (Periquita) e Cabernet Sauvignon.
As castas brancas são: Bical, Arinto, Cerceal e Verdelho.

vinhas1

No centro desta quinta, que toma o nome da desaparecida povoação de Vale de Azar (ver mapa), ergue-se a antiga “adega do senhor Gaudêncio”, assim referida por António Augusto de Aguiar na obra de 1867, Memória dos Processos de Vinificação.
Daqui provêem as uvas dos tintos Quinta de Vale de Azar e Valdazar e do espumante Campolargo na versão Bical, Arinto e Cerceal.

vinhas12

Dista a Quinta de Vale de Azar cerca de 2 km da nossa adega, situada na Quinta de S. Mateus.
Aqui o terreno é de mais diversa constituição, sendo frequente a alternância de solo argilo-calcário típico com argilas de diferente cor e natureza e alguma areia à mistura, sobretudo nos cabeços onde abundam os seixos rolados.

vinhas123

Aqui, todas as exposições solares são possíveis, posto que as parcelas de vinha ocupam a encosta sul e norte de uma colina que começa a erguer-se após Mogofores, a nascente, e vai até Paredes do Bairro a poente.
As parcelas recebem os nomes tradicionais dos sítios, os quais usamos para os vinhos aí nascidos.

vinhas1234

Assim, no Termeão estão plantados Touriga Nacional, Castelão Nacional, e Souzão (que substituiu recentemente o Cabernet Sauvignon).
Na Costa temos cepas de Tinta Roriz, Syrah e Merlot com que fazemos o Vinha da Costa e Os Corvos da Vinha da Costa.

Às vinhas do Gaz e da Espinheira vamos buscar o Cabernet e o Castelão para o Campolargo CC e para o Contra a Corrente. Na chamada parte velha de S. Mateus são maioritários os brancos: Verdelho, Sauvignon Blanc, Bical (dos quais se faz uma das versões do espumante Campolargo) e ainda Viognier.
O Pinot Noir usado para fazer em branco e rosé também aí está plantado.
Nesta zona, orientada a norte e nascente, os tintos são de Baga, Alfrocheiro e Tinto Cão, não esquecendo um talhão de Alvarelhão, Tinta Francisca e Touriga, plantados misturados. Por trás do pinhal alinham-se Touriga Francesa e Alicante Bouschet, quase encostados à adega.

Pelo sul do pequeno bosque dispõem-se as cepas de Pinot Noir que fazem o tinto Campolargo.
O Arinto está plantado no denominado Vale do Olho e o Chardonnay divide-se entre a Costa, o Vale do Covo e a Espinheira ou Vale do Gaio.

A parcela da Panasqueira é exclusivamente de Merlot e Cabernet Sauvignon, que também se plantam no Barrio e no Cardal, únicas com certa separação física.
Entre o Termeão e a Costa, ao longo da ribeira, sucedem-se, a norte, a Trincadeira, o Malbec e o Petit Verdot. Na margem sul daquele curso de água, na parcela chamada Juncal, temos sucessivamente: Souzão, Bastardo, Tinta Pinheira, Alfrocheiro e Tinto Cão.” (FONTE: Campolargo)

A ADEGA

 

“Construída entre Fevereiro e Setembro de 2004, segundo projecto do arquitecto Carlos Ramos, a nossa adega da quinta de S. Mateus utiliza o mais clássico conceito de vinificação.
Preenchendo um corte vertical de 18 metros de altura numa ladeira da Vinha da Costa voltada a sul e a poente, a construção permite que a força da gravidade seja usada em todo o processo de vinificação, desde a entrada das uvas até a prensagem final.

adega12

No decurso da vinificação não se adicionam quaisquer leveduras, enzimas ou bactérias.
As uvas colhidas manualmente, desinfectadas e quase sempre desengaçadas na totalidade, são pisadas com recurso exclusivo a dois robot.
As bombas e o esmagador ficam portanto de fora do nosso conceito enológico.

adega1234

Os tintos fazem a fermentação maloláctica, por processo natural, em madeira: barricas de 300 L ou balseiros de 4200 L, carvalho francês ou do leste europeu.
Segue-se o estágio em cave por período mais ou menos longo.

Os brancos, raramente desengaçados, após prensagem decantam pelo período adequado, seguindo-se a fermentação em barrica ou cuba de inox; no primeiro caso sem qualquer controlo de temperatura.

adega123

O espumante é produzido pelo método clássico de segunda fermentação em garrafa a partir de vinhos base preparados para esse fim: uvas colhidas com grau provável e acidez adequados.
Os vinhos rosés, tranquilos ou espumantes, são sempre obtidos por prensagem.

adega1

Para os visitantes está previsto um circuito que permite acompanhar todo o processo de vinificação antes descrito e, posteriormente, disfrutar de uma prova na galeria da cave, ao rés da vinha, ou 25 metros mais acima na sala de provas.
Daí se avista o extraordinário panorama das suaves colinas cobertas de vinha e ao longe, toda a cordilheira de serras desde a Lousã até muito ao norte do Caramulo ” (FONTE: Campolargo)

2 Comentários

Deixe o seu comentário