Vinho Verde Vinhos Wines

CIDADE DE FAFE

O Concelho tem uma História bastante antiga e rica, baseada na sua origem medieval e legado pré-histórico.

Além disso, as suas paisagens, as suas gentes e a sua maneira especial de saber receber, a sua vida social e comunitária, são mais valias.

Um Concelho Medieval

O concelho de Fafe, antes denominado Monte Longo, é uma «construção» medieval, no sentido em que é nessa dilatada época que surgem as primeiras referências à sua existência, conquanto sem a dimensão e a importância que haveria de ter mais tarde.

Nesse período, embora terra presumivelmente pequena e de restrita importância, tinha como cabeça de concelho Santa Ovaia ( Eulália ) Antiga, chamada de Fafe desde o século XVIII. Santa Eulália de Fafe sempre foi a cabeça do concelho, primeiro de Monte Longo e depois de Fafe, contrariamente às tortuosas versões que as enciclopédias repetem maquinalmente, desde não se sabe quando.

A primeira referência à existência segura do território de Monte Longo é-nos fornecida pelas inquirições de 1220, de D. Afonso II. No entanto, já antes disso, no início do século XI, em 1014, nos aparece documentada a designação de «Monte Longo», em documento referente a uma doação da segunda metade do século X, em que Ordonho III, Rei de Leão, faz essa doação de «Villa Moraria de Monte Longo» (actual freguesia de Moreira de Rei) ao Mosteiro de Guimarães, fundado nessa altura pela Condessa Mumadona.

Monte Longo teve o seu início foral outorgado pelo Rei D. Manuel em 5 de Novembro de 1513.

Os forais eram na idade média, diplomas pelos quais o Rei ou Senhor garantia aos moradores determinada terra, certas regalias e privilégios, visando incrementar o povoamento e a fixação das pessoas.

Em grande parte dos casos, as cartas de foral eram os documentos fundadores dos concelhos, regulando a vida jurídica, administrativa e comercial das populações.

Monte Longo não está neste caso. O concelho já existia, no início do século XVI, com a sua Câmara (onde foi depositado um dos três exemplares do foral e que ainda aí se guarda religiosamente) e a sua administração municipal.

Sabemos pela documentação que o município já vinha da era medieval, como se comprova pelas inquirições de 1220 e de 1258, herdeiro da terra de Monte Longo, de que há notícia desde o século XI.

O foral não cria assim o concelho, ao contrário do que alguns erradamente afirmam.

Extractos do livro “Fafe – A Terra e a Memória”, edição da Câmara Municipal de Fafe de 1977, Artur Ferreira Coimbra

Deixe o seu comentário