Douro Trás-os-Montes Vinhos Wines

Menu Transmontano Com Vinhos da Quinta da Pedra Alta

MENU		
		
SOPA	Água de Unto	QUINTA DA PEDRA ALTA ROSÉ
PEIXE	Migas de Caldeirada de Bacalhau	QUINTA DA PEDRA ALTA BRANCO RESERVA
CARNE	Feijoada à Transmontana	QUINTA DA PEDRA ALTA TINTO RESERVA
SOBREMESA	Toucinho-do-Céu de Murça	QUINTA DA PEDRA ALTA PORTO LIGHT EXTRA DRY WHITE
MENU   SOPAÁgua de Unto	QUINTA DA PEDRA ALTA ROSÉ PEIXE	Migas de Caldeirada de Bacalhau	QUINTA DA PEDRA ALTA BRANCO RESERVA CARNE	Feijoada à Transmontana	QUINTA DA PEDRA ALTA TINTO RESERVA SOBREMESA	Toucinho-do-Céu de Murça	QUINTA DA PEDRA ALTA PORTO LIGHT EXTRA DRY WHITE
MENU
SOPA Água de Unto QUINTA DA PEDRA ALTA ROSÉ
PEIXE Migas de Caldeirada de Bacalhau QUINTA DA PEDRA ALTA BRANCO RESERVA
CARNE Feijoada à Transmontana QUINTA DA PEDRA ALTA TINTO RESERVA
SOBREMESA Toucinho-do-Céu de Murça QUINTA DA PEDRA ALTA PORTO LIGHT EXTRA DRY WHITE

 Água de Unto

Ingredientes: Para 4 pessoas 1 talhadinha de unto (cerca de 50 g) ; fatias de pão de centeio (cerca de 200 g) ; água e sal Confecção: Corta-se a talhadinha de unto e rija-se (derrete-se) numa frigideira. Tem-se ao lume uma panela com água a ferver, dentro da qual se deita o unto derretido. Tempera-se com sal. Têm-se as malgas preparadas com o pão de centeio cortado em fatias e enchem-se com o caldo. Também se podem escalfar ovos na água do unto a ferver. Nesse caso, escalfa-se 1 ovo por pessoa e põe-se sobre o pão antes de se deitar o caldo na malga. Unto é a gordura que se encontra entre o soventre e o peritoneu. Em Trás-os-Montes, esta gordura é amassada, enrolada e moldada em bola ; esta bola é envolvida na pele de unto (tiés) e depois de atada é pendurada no fumeiro. O soventre é o mesmo que entremeada [carne gorda da barriga que serve para fazer rojões e que se encontra agarrada à pele (couro ou couracho) e do outro lado do unto]. Esta sopa é usada nesta zona como pequeno almoço dos que no Inverno se ocupam quer da lavoura quer do pastoreio.
Ingredientes:
Para 4 pessoas
1 talhadinha de unto (cerca de 50 g) ;
fatias de pão de centeio (cerca de 200 g) ;
água e sal
Confecção:
Corta-se a talhadinha de unto e rija-se (derrete-se) numa frigideira. Tem-se ao lume uma panela com água a ferver, dentro da qual se deita o unto derretido. Tempera-se com sal.
Têm-se as malgas preparadas com o pão de centeio cortado em fatias e enchem-se com o caldo.
Também se podem escalfar ovos na água do unto a ferver. Nesse caso, escalfa-se 1 ovo por pessoa e põe-se sobre o pão antes de se deitar o caldo na malga.
Unto é a gordura que se encontra entre o soventre e o peritoneu. Em Trás-os-Montes, esta gordura é amassada, enrolada e moldada em bola ; esta bola é envolvida na pele de unto (tiés) e depois de atada é pendurada no fumeiro. O soventre é o mesmo que entremeada [carne gorda da barriga que serve para fazer rojões e que se encontra agarrada à pele (couro ou couracho) e do outro lado do unto].
Esta sopa é usada nesta zona como pequeno almoço dos que no Inverno se ocupam quer da lavoura quer do pastoreio.

 Migas de Caldeirada de Bacalhau

Composição: 250 gr de  pão de centeio 250 gr de  pão de trigo 250 gr de  bacalhau 500 gr de  batata(s) 2 dente(s) de  alho 1 dl de  azeite 1 molho(s) de  salsa 1 colher (chá) de  colorau 1/2 colher (café) de  piripiri sal Coze-se o bacalhau, previamente demolhado, sem peles e espinhas, e às lascas, em 2.5 dl de água. Enfiam-se os dentes de alho numa linha e introduzem-se no tacho, assim como o ramo de salsa atado. Tempera-se com o colorau e o piripiri e deixa-se cozer. Assim que o alho estiver cozido, retira-se, o mesmo acontecendo à salsa. Quando todos os ingredientes estiverem cozidos, retiram-se do lume e junta-se o pão cortado em fatias finas. Rega-se com azeite. Envolve-se tudo e embrulha-se o recipiente. Caso se verifique que a água não foi absorvida, escorre-se e rega-se com um pouco mais de azeite. O paladar do azeite é essencial, logo é necessário que o azeite seja de boa qualidade.
Composição:
250 gr de pão de centeio
250 gr de pão de trigo
250 gr de bacalhau
500 gr de batata(s)
2 dente(s) de alho
1 dl de azeite
1 molho(s) de salsa
1 colher (chá) de colorau
1/2 colher (café) de piripiri
sal
Coze-se o bacalhau, previamente demolhado, sem peles e espinhas, e às lascas, em 2.5 dl de água.
Enfiam-se os dentes de alho numa linha e introduzem-se no tacho, assim como o ramo de salsa atado. Tempera-se com o colorau e o piripiri e deixa-se cozer. Assim que o alho estiver cozido, retira-se, o mesmo acontecendo à salsa.
Quando todos os ingredientes estiverem cozidos, retiram-se do lume e junta-se o pão cortado em fatias finas. Rega-se com azeite. Envolve-se tudo e embrulha-se o recipiente. Caso se verifique que a água não foi absorvida, escorre-se e rega-se com um pouco mais de azeite.
O paladar do azeite é essencial, logo é necessário que o azeite seja de boa qualidade.

Feijoada à Transmontana

Para 8 pessoas 1 kg de feijão 500 g de orelha de porco 200 g de focinho de porco 1 pé de porco 1 linguiça 100 g de salpicão 100 g de presunto 1 dl de azeite 1 cebola 1 ramo de salsa 1 folha de louro 1 dente de alho pimenta branca malagueta e colorau 1 cravinho (fac.) sal De véspera, põe-se de molho em água fria num recipiente o feijão previamente lavado e, num outro, as carnes, que são sempre fumadas. No dia seguinte, coze-se o feijão na água em que demolhou. Cozem-se as carnes noutro recipiente e, depois de bem cozidas (incluindo a linguiça e o salpicão), cortam-se em bocados. Cortam-se em rodelas a linguiça (chouriço de carne) e o salpicão. Aloira-se a cebola com o azeite e junta-se-lhe o  feijão com a água em que cozeu (que não deve ser muita). Juntam-se as carnes e um pouco de água que serviu para as cozer. Rectifica-se o sal e juntam-se a salsa, o louro, o dente de alho picado, a malagueta, o colorau e, querendo, o cravinho. Deixa-se apurar com o lume muito brando. Acompanha com arroz de forno bem seco.
Para 8 pessoas
1 kg de feijão
500 g de orelha de porco
200 g de focinho de porco
1 pé de porco
1 linguiça
100 g de salpicão
100 g de presunto
1 dl de azeite
1 cebola
1 ramo de salsa
1 folha de louro
1 dente de alho
pimenta branca
malagueta e colorau
1 cravinho (fac.)
sal
De véspera, põe-se de molho em água fria num recipiente o feijão previamente lavado e, num outro, as carnes, que são sempre fumadas.
No dia seguinte, coze-se o feijão na água em que demolhou. Cozem-se as carnes noutro recipiente e, depois de bem cozidas (incluindo a linguiça e o salpicão), cortam-se em bocados. Cortam-se em rodelas a linguiça (chouriço de carne) e o salpicão.
Aloira-se a cebola com o azeite e junta-se-lhe o feijão com a água em que cozeu (que não deve ser muita). Juntam-se as carnes e um pouco de água que serviu para as cozer. Rectifica-se o sal e juntam-se a salsa, o louro, o dente de alho picado, a malagueta, o colorau e, querendo, o cravinho. Deixa-se apurar com o lume muito brando.
Acompanha com arroz de forno bem seco.

Toucinho-do-Céu de Murça

Ingredientes: 500 g de açúcar ; 125 g de amêndoas ; 125 g de doce de chila ; 20 gemas de ovos ; 2 colheres de sopa de farinha ; margarina Pelam-se e ralam-se as amêndoas. Leva-se o açúcar ao lume com um copo de água e deixa-se ferver até se obter o ponto de fio (103º C). Junta-se o doce de chila e deixa-se ferver mais 2 a 3 minutos. Adicionam-se as amêndoas raladas, que devem estar bem enxutas, e leva-se novamente ao lume para fazer um ponto de estrada muito fraco (o fundo do tacho deve ver-se muito rapidamente). Retira-se o doce do lume e, depois de arrefecer um pouco, juntam-se as gemas, que engrossarão um pouco sobre o lume, sem que no entanto o doce ferva. Deixa-se arrefecer ligeiramente. Unta-se com margarina e polvilha-se com farinha um forma rectangular ou quadrada, com cerca de 1,5 litros de capacidade. Espalha-se uma colher de farinha sobre o fundo da forma e deita-se dentro o doce. Polvilha-se a superfície com a outra colher de farinha e leva-se a cozer em forno bem quente (200º C a 250º C). O toucinho-do-céu está cozido quando se lhe introduzir uma faca e esta sair quente e limpa. Desenforma-se. Sacode-se o excesso de farinha, corta-se o toucinho-do-céu em fatias, passam-se por açúcar pilé e guardam-se numa caixa forrada com papel de seda recortado com a tesoura.
Ingredientes:
500 g de açúcar ;
125 g de amêndoas ;
125 g de doce de chila ;
20 gemas de ovos ;
2 colheres de sopa de farinha ;
margarina
Pelam-se e ralam-se as amêndoas.
Leva-se o açúcar ao lume com um copo de água e deixa-se ferver até se obter o ponto de fio (103º C). Junta-se o doce de chila e deixa-se ferver mais 2 a 3 minutos.
Adicionam-se as amêndoas raladas, que devem estar bem enxutas, e leva-se novamente ao lume para fazer um ponto de estrada muito fraco (o fundo do tacho deve ver-se muito rapidamente).
Retira-se o doce do lume e, depois de arrefecer um pouco, juntam-se as gemas, que engrossarão um pouco sobre o lume, sem que no entanto o doce ferva.
Deixa-se arrefecer ligeiramente.
Unta-se com margarina e polvilha-se com farinha um forma rectangular ou quadrada, com cerca de 1,5 litros de capacidade. Espalha-se uma colher de farinha sobre o fundo da forma e deita-se dentro o doce. Polvilha-se a superfície com a outra colher de farinha e leva-se a cozer em forno bem quente (200º C a 250º C).
O toucinho-do-céu está cozido quando se lhe introduzir uma faca e esta sair quente e limpa. Desenforma-se.
Sacode-se o excesso de farinha, corta-se o toucinho-do-céu em fatias, passam-se por açúcar pilé e guardam-se numa caixa forrada com papel de seda recortado com a tesoura.

2 Comentários

Deixe o seu comentário