Alentejo Notas de Prova Os melhores Os Melhores Vinhos Rosé Rankings Regiões Vinhos Wines

Adega de Borba Premium Rosé 2015

apreciacao-adega-de-borba-premium-rose-2015

Foi provado o vinho Adega de Borba Premium Rosé 2015, da região de Vinhos do Alentejo


Dados Sobre o Vinho

Região: Alentejo
Produtor: Adega de Borba
Castas: ARAGONEZ E SYRAH
Álcool: 12,0%

Solos: solos derivados direta ou indiretamente de calcários cristalinos e argilosos
Clima: Mediterrâneos – Primaveras e os Verões são particularmente quentes e secos enquanto os Invernos são realmente frios
Denominação: DOC Alentejo

Notas de Prova

Aspeto: Cor rosa esbatido mas límpido.
Aroma: Apresenta ligeiros aromas de frutos vermelhos pouco maduros, alguma frescura e nuances florais.
Na boca: Vinho com alguma intensidade, leve, tudo muito simples e frutado.
Final: Termina com médio comprimento

Classificação: 80

ficha-apreciacao-adega-de-borba-premium-rose-2015
Temperatura de Serviço: 10ºC


Harmonização (Wine Pairing)

Um vinho simples, com média intensidade e frescura, combina bem com um prato simples e pouco temperado.

Sardinhas com broa e tomate

Chefe António Alexandre

sardinhas-com-broa-e-tomate

Ingredientes

  • 5 Sardinhas
  • 1 Broa
  • 4 Tomates
  • 1 Limão
  • Q.b. Sal Marinho Rui Simeão
  • Q.b. Azeite Valle Madruga
  • Q.b. Vinagre
  • Q.b. Orégãos
  • Q.b. Salsa

Preparação

Filetar as sardinhas e temperá-las com limão, sal, pimenta, orégãos e vinagre.

Pelar o tomate e cortá-lo em brunesa. Temperá-lo com alho picado, orégãos, azeite, pimenta e salsa picada, e envolver tudo.

Grelhar fatias de pão e cortá-las em pedaços grandes, para acompanhar.

Enrolar o filete de sardinha, da cabeça à cauda, apertando bem. Levar 10 minutos ao forno. Fazer espetadas com o tomate e a broa. Servir.

Sardinhas com broa e tomate – Versão de Impressão


4 Comentários

  1. Obrigado pela bela dica de harmonização de sardinha com vinho

    1. É muito importante para o Clube de Vinhos Portugueses que os seus artigos informam e agradam aos seus leitores. Cumprimentos. Jorge Cipriano

Deixe o seu comentário