Algarve Vinhos Wines

Vinhos do Algarve – DOC e IGR

1

Quando se fala no Algarve, normalmente salta à vista Sol, Praia e Mar. Depois escolher local bem perto da praia que pode ser um hotel, casa de alugar, parque de campismo, etc.

Nada mais errado, porque o Algarve é muito mais que uma província ao Sul que se limita a ser atraído devido ao excelente clima perto da costa algarvia.

Muito mais há para ver, sentir e acima de tudo provar. No que respeita aos vinhos então, tem muito por onde escolher. E não. Não são todos a preços elevados. Normalmente quando se pretende bons vinhos a preços mais acessíveis, opta-se sempre por uma Adega Cooperativa, que no Algarve representa a ÚNICA que resultou na fusão e entendimento entre as Adegas de Lagoa e Lagos. Se pretende algo mais sofisticado, então deve optar-se por um vinho de Quinta ou Herdade, sendo que estes princípios são válidos em qualquer região no país vinícola que somos.

O Clube de Vinhos Portugueses convida os leitores em geral a conhecer melhor os Vinhos do Algarve, cujos produtores estão sempre de portas abertas para recebê-lo, e garanto-lhe que irá encontrar grandes surpresas na prova de vinhos desta região que em nada ficam atrás de vinhos de outras regiões.

No Guia de Vinhos do Algarve, encontrará tudo o que necessita saber sobre o que se produz na Região, inclusivamente, contém imensas fichas técnicas.

GVA

HISTÓRIA

 

Os primeiros ocupantes do Algarve foram comerciantes e intendentes do Estado que estabeleceram as suas colónias na costa. Bons exemplos são os Fenícios e os Cartagineses que viveram durante muito tempo apenas dos recursos da costa algarvia.

Mas existe um facto muito importante na história do Algarve: os cinco séculos de ocupação Árabe, visíveis na arquitectura da região (chaminés trabalhadas e azulejos, por exemplo) e no nome de muitas regiões algarvias começadas com ‘Al’.

O Algarve foi, em tempos, parte da província Romana da Lusitânia, passando mais tarde para a jurisdição dos Visigodos. A presença Romana deixou vestígios em Milreu, Faro, Boca do Rio e Vilamoura.

Em 711, Tarik ibn Zyad passou o Estreito de Gibraltar e derrotou o rei dos Visigodos. Em 712 Abd Al-Aziz Ben Mussa conquistou o “Gharb Al Andaluz“. Andaluz significava terra dos vândalos e Al-Gharb, o Oeste.

Após muitas batalhas, o Algarve foi reclamado pelos Cristãos. Desde 1249, e até à proclamação da República, os monarcas portugueses eram intitulados “Rei de Portugal e dos Algarves”.

Também importante na história do Algarve foi a Era das Descobertas e o terramoto de 1755. O Algarve tornou-se muito mais importante durante as descobertas, sendo usado como um dos principais portos de partida. Os algarvios foram parte determinante das aventuras marítimas e da ocupação do território africano. O terramoto de 1755, cujo epicentro se situou muito perto de Lagos, destruiu grande parte do Algarve. Os tremores de destruição sentiram-se em todo o lado e levaram à perda de muitos edifícios importantes. Mas nem isto parou os algarvios que, apesar de todas as adversidades, reconstruíram o Algarve e fizeram dele o que ele é hoje: uma maravilhosa estância de férias à beira-mar!

Para um estudo mais aprofundado sobre a história do vinho na região algarvia é aconselhado o livro A Vinha e o Vinho no Algarve – O renascer de uma velha tradição, coordenado por João Pedro Bernardes e Luís Filipe Oliveira, que tem por objectivo, resgatar a história esquecida da produção vitivinícola da região, ao mostrar o início da produção, em meados do início do século XX, até os dias de hoje.

 DENOMINAÇÕES DE ORIGEM

 

Dada a tipicidade que as condições edafo-climáticas conferem aos vinhos, existem no Algarve quatro Denominações de Origem: “Lagoa“, “Lagos“, “Portimão” e “Tavira“.

 “DO Lagos”

A área geográfica correspondente à Denominação de Origem Controlada “Lagos” abrange os concelhos de Aljezur (parte das freguesias do mesmo nome, Bordeira e Odeceixe), Vila do Bispo (as freguesias de Raposeira, Sagres e Vila do Bispo e parte das freguesias de Barão de São Miguel e Budens) e Lagos (freguesias de Luz, Santa Maria e São Sebastião e parte das freguesias de Barão de São João, Bensafrim e Odiáxere).

Tipos de Vinho

Rendimento Máximo 
(hl/há)
Título Alcoométrico 
volúmico mínimo (% vol.)

Estágio Mínimo Obrigatório (Meses)

Tinto

60 12 Adq. 6
Branco 60 11,5 Adq.


Castas recomendadas

Tintas
Negra Mole, Trincadeira e Castelão, no conjunto ou em separado, com um mínimo de 70% de encepamento; Alicante Bouschet, Aragonez, Bastardo, Cabernet Sauvignon, Monvedro e Touriga Nacional.

Brancas
Arinto, Malvasia Fina e Síria, no conjunto ou separadamente com um mínimo de 70 % do encepamento; Manteúdo, Moscatel Graúdo e Perrum.

Características Organolépticas

Vinhos Tintos
São aveludados, pouco encorpados, com aroma frutado e pouco acídulos e quentes. São abertos de cor, apresentando um tom rubi que, com o envelhecimento, adquire o tom topázio.

Vinhos Brancos
Apresentam uma cor entre o citrino e o palha, sendo delicados e suaves, com um travo característico duma zona quente.

 

“DO Portimão”

A área geográfica correspondente à Denominação de Origem Controlada “Portimão” abrange o concelho de Portimão (freguesia de Alvar e parte das freguesias da Mexilhoeira Grande e Portimão).

Tipos de Vinho

Rendimento Máximo 
(hl/há)
Título Alcoométrico 
volúmico mínimo (% vol.)

Estágio Mínimo Obrigatório (Meses)

Tinto

60 12 Adq. 6
Branco 60 11,5 Adq.


Castas recomendadas

Tintas
Negra Mole, Trincadeira e Castelão, no conjunto ou separadamente, com um mínimo de 70% de encepamento; Alicante-Bouschet, Aragonez, Cabernet-Sauvignon, Monvedro, Syrah e Touriga Nacional.

Brancas
Siria (Roupeiro) e Arinto, com um mínimo de 70% de encepamento; Manteúdo, Moscatel-Graúdo, Perrum e Rabo-de-Ovelha.

Características Organolépticas

Vinhos Tintos
São aveludados, pouco encorpados, com aroma frutado e pouco acídulos e quentes. São abertos de cor, apresentando um tom rubi que, com o envelhecimento, adquire o tom topázio.

Vinhos Brancos
Apresentam uma cor entre o citrino e o palha, sendo delicados e suaves, com um travo característico duma zona quente.

“DO Lagoa”

A área geográfica correspondente à Denominação de Origem Controlada “Lagoa” abrange os concelho de Albufeira, Lagoa e Loulé (freguesias de Almansil, Boliqueime, Quarteira, São Clemente e São Sebastião e parte das freguesias de Alte, Querença e Salir) e Silves, as (freguesias de Alcantarilha, Armação de Pêra e parte das freguesias de São Bartolomeu de Messines e Silves).

Tipos de Vinho

Rendimento Máximo 
(hl/há)
Título Alcoométrico 
volúmico mínimo (% vol.)

Estágio Mínimo Obrigatório (Meses)

Tinto

60 12 Adq. 6
Branco 60 11,5 Adq.


Castas recomendadas

Tintas
Negra Mole e Trincadeira, no conjunto ou em separado, com um mínimo de 70% do encepamento. Alicante-Bouschet, Aragonez, Cabernet-Sauvignon, Castelão, Monvedro, Moreto, Syrah, Touriga-Franca e Touriga Nacional.

Brancas
Síria (Roupeiro) e Arinto, com um mínimo de 70% de encepamento; Manteúdo, Moscatel-Graúdo, Perrum, Rabo-de-Ovelha, Sauvignon.

Características Organolépticas

Vinhos Tintos
Apresentam uma cor rubi que, com o envelhecimento, adquire um tom topázio. São aveludados, frutados, e quentes. Fáceis de beber, evoluem muito bem e têm grande longevidade.

Vinhos Brancos
Apresentam uma cor citrina, sendo robustos e suaves, com algum corpo e grande capacidade de evolução.

“DO Tavira”

A área geográfica correspondente à Denominação de Origem Controlada “Tavira” abrange os concelhos de Faro, Olhão, São Brás de Alportel (parte da freguesia do mesmo nome), Castro Marim (parte da freguesia do mesmo nome), Tavira (freguesias da Luz e Santiago e parte das freguesias de Conceição, Santa Catarina, Santa Marta e Santo Estêvão) e Vila Real de Santo António (a freguesia de Vila Nova da Cacela).

Tipos de Vinho Rendimento Máximo 
(hl/há)
Título Alcoométrico 
volúmico mínimo (% vol.)

Estágio Mínimo Obrigatório (Meses)

Tinto

60 12 Adq. 6
Branco 60 11,5 Adq.


Castas recomendadas

Tintas
Negra Mole, Castelão e Trincadeira, em conjunto ou em separado, com um mínimo de 70% de encepamento; Alicante-Bouschet, Aragonez, Cabernet-Sauvignon, Syrah e Touriga Nacional.

Brancas
Síria e Arinto, com um mínimo de 70% de encepamento;Diagalves, Manteúdo, Moscatel-Graúdo e Tamarez.

Características Organolépticas

Vinhos Tintos
São aveludados, pouco encorpados, com aroma frutado e pouco acídulos. São abertos de cor, apresentando tom rubi definido que, com o envelhecimento, adquire o tom topázio.

Vinhos Brancos
Apresentam uma cor entre o citrino e o palha, sendo delicados e suaves.

 INDICAÇÃO GEOGRÁFICA

 

O Vinho de Indicação Geográfica “Algarve” produz-se em toda a Região do Algarve.

Tipos de Vinho Título alcoométrico volúmico mínimo (% vol)
Tinto 11,5 Adq
Branco 11 Adq
Rosado 11 Adq
Licoroso Tinto, Rosado 15,5 Adq
Licoroso Branco 15,5 Adq

Castas recomendadas

Tintas
Alfrocheiro, Alicante Bouschet, Aragonez, Baga, Bastardo, Cabernet Sauvignon, Caladoc, Carignan, Castelão, Chambourcin, Cinsaut, Corropio, Grand-Noir, Grenache, Manteúdo-Preto, Merlot, Monvedro, Moreto, Moscatel-Galego Tinto, Negra Mole, Petit-Verdot, Pexem, Pinot-Noir, Syrah, Tannat, Tinta-Barroca, Tinta-Caiada, Tinta-Carvalha, Tinta-Miúda, Tinto-Cão, Touriga Franca, Touriga Nacional, Trincadeira, Vinhão, Zinfandel, Gewurztraminer e Moscatel-Galego-Roxo.

Brancas
Alicante Branco, Alvarinho, Antão-Vaz, Arinto, Bical, Chardonnay,Chasselas, Códega do Larinho, Diagalves, Encruzado, Fernao Pires, Gouveio, Larião, Malvasia Fina, Malvasia Rei, Manteúdo, Moscatel Graúdo, Mourisco-Brancp, Perrum, Rabigato, Rabo-de-Ovelha, Riesling, Sauvignon, Semillon, Sercial, Síria, Tália,Tamarez, Terrantez, Trincadeira-das-Pratas, Verdelho, Viognier e Viosinho.

Características Organolépticas

Vinhos Tintos
De cor rubi, definida ou granada, macios, pouco acídulos e ligeiramente alcoólicos.

Vinhos Brancos
De cor palha, macios, pouco acídulos e ligeiramente alcoólicos.

 

OS VINHOS

 

No extremo Sul de Portugal Continental, o Algarve é uma zona bem definida, um compartimento com feições características, conferidas pela proximidade do mar, pelo clima, pela vegetação natural e pela cultura marcada pela longa ocupação árabe.
A região demarcada do Algarve data de 1980, produzindo vinhos tinto, branco, rosado e licorosos.
Os vinhos brancos e tintos caracterizam-se pelos aromas a frutos bem maduros e sabor aveludado e quente.

Vinhos I.G. “Algarve”

Os vinhos regionais da região Algarvia caracterizam-se por serem macios, pouco acídulos e ligeiramente alcoólicos, sendo os tintos de cor definida ou granada e os brancos de cor palha.
Incluído no Vinho Regional Algarve produz-se também nesta região um vinho licoroso, de grande tradição, com a indicação geográfica Algarve.

Vinhos de Denominação de Origem

No Algarve existem quatro Regiões que produzem vinho com Denominação de Origem, sendo elas Lagoa, Lagos, Portimão e Tavira.

Características Organolépticas dos Vinhos de Denominação de Origem da Região Vitivinícola do Algarve

D.O. “LAGOS”

D.O. “PORTIMÃO”

Vinho Tinto

Vinho Branco Vinho Tinto Vinho Branco
São aveludados, pouco encorpados, com aroma frutado e pouco acídulos e quentes. São abertos de cor, apresentando um tom rubi que, com o envelhecimento, adquire o tom topázio. Apresentam uma cor entre o citrino e o palha, sendo delicados e suaves com um travo característico duma zona quente. São aveludados, encorpados, com aroma frutado e pouco acídulo, notando-se o álcool. Apresentam cor rubi definida que, com o envelhecimento, adquire um tom topázio.

Apresentam uma cor palha aberta, sendo delicados e suaves.

D.O. “LAGOA”

D.O. “TAVIRA”

Vinho Tinto

Vinho Branco Vinho Tinto Vinho Branco
Apresentam uma cor rubi que, com o envelhecimento, adquire um tom topázio. São aveludados, encorpados, frutados, pouco acídulos e quentes. Fáceis de beber, evoluem muito bem e têm grande longevidade. Apresentam uma cor citrina, sendo robustos e suaves, com algum corpo e grande capacidade de evolução. São aveludados, encorpados, com aroma frutado e pouco acídulo. Apresentam tom rubi definido que, com o envelhecimento, adquire o tom topázio.

Apresentam uma cor entre o citrino e o palha, sendo delicados e suaves. Apresentam um travo característico de uma zona quente.

 

 

CASTAS

 

No Algarve existem quatro Denominações de Origem (Lagoa, Lagos, Portimão e Tavira), ainda que a maior parte do vinho seja vendido sob a designação de Indicação Geográfica.

Para além das castas tradicionais, principalmente as tintas Castelão e Negra Mole e as brancas Arinto e Síria, nos últimos tempos têm obtido grande sucesso as variedades da Touriga Nacional e principalmente a Syrah, uma casta de renome internacional, que se adaptou muito bem às condições climáticas particulares do Algarve.

Os novos projectos, todos em vinha ao alto, apostam na tinta Aragonez, na Touriga Nacional e na branca Verdelho, juntamente às castas internacionais mais prestigiadas como Chardonnay e, a já referenciada, Syrah.

Castas aptas à produção de vinhos de Denominação de Origem

LAGOA

LAGOS

Branco

Tinto Branco Tinto
Arinto (*)
Manteúdo
Mosacatel-Gráudo
Perrum
Rabo-de-Ovelha
Síria (*)
Alicante-Bouschet
Aragonez
Cabernet-Sauvignon
Castelão
Monvedro
Moreto
Negra-Mole (*)
Syrah
Touriga-Fanca
Touriga-Nacional
Trincadeira (*)
Arinto (*)
Malvasia Fina (*)
Manteúdo
Moscatel-Graúdo
Perrum
Síria (*)

Alicante-Bouschet
Aragonez
Cabernet-Sauvignon
Castelão (*)
Monvedro
Negra-Mole (*)
Syrah
Touriga-Nacional
Trincadeira (*)

PORTIMÃO

TAVIRA

Branco

Tinto Branco Tinto
Arinto (*)
Manteúdo
Mosacatel-gráudo
Perrum
Rabo-de-Ovelha
Síria (*)
Alicante-Bouschet
Aragonez
Cabernet-Sauvignon
Castelão (*)
Monvedro
Negra-Mole (*)
Syrah
Touriga-Nacional
Trincadeira (*)
Arinto (*)
Diagalves
Manteúdo
Mosacatel-gráudo
Síria (*)
Tamarez

Alicante-Bouschet
Aragonez
Cabernet-Sauvignon
Castelão (*)
Negra-Mole (*)
Syrah
Touriga-Nacional
Trincadeira (*)

(*) Castas que devem, em conjunto ou separadamente, representar um mínimo de 70% do encepamento.

 

Castas aptas à produção de Vinho de Indicação Geográfica “Algarve”

Branco

Tinto

Alicante-Branco

Alvarinho
Antão-Vaz
Arinto

Bical

Chardonnay

Chasselas

Códega do Larinho
Diagalves

Encruzado

Fernão-Pires

Gouveio

Larião

Malvasia-Fina
Malvasia-Rei
Manteúdo
Moscatel-Graúdo
Mourisco-Branco
Perrum
Rabigato
Rabo-de-Ovelha
Riesling
Sauvignon
Semillon
Sercial
Síria
Tália

Tamarez
Terrantez
Trincadeira-das-Pratas
Verdelho
Viognier

ViosinoAlfrocheiro
Alicante-Bouschet
Aragonez
Baga
Bastardo
Cabernet-Sauvignon
Caladoc

Carignan
Castelão

Chambourcin
Cinsaut

Corropio
Grand-Noir
Grenache

Manteúdo-Preto
Merlot
Monvedro
Moreto
Moscatel-Galego-TintoNegra-Mole
Petit-Verdot
Pexem
Pinot-Noir
Syrah

Tannat
Tinta-Barroca
Tinta-Caiada
Tinta-Carvalha

Tinta-Miúda
Tinto-Cão
Touriga-Franca
Touriga-Nacional
Trincadeira

Vinhão

Zinfandel

Gewurztraminer

Moscatel-Galego-Roxo

 

 

 

FONTE: Vinhos do Algarve – Comissão Vitivinícola do Algarve.

Deixe o seu comentário