Ribatejo Vinhos

CIDADE DE SANTARÉM – CAPITAL NACIONAL DO GÓTICO

     

 

Pré-História e Mundo Antigo (século X a. C. – V d. C.)

 

As teorias tardo-renascentistas que associam a fundação de Santarém ao nome do fundador mítico de Tartessos (o herói Habis) são inaceitáveis à luz dos conhecimentos atuais. A arqueologia demonstra-nos que a primeira “estrutura urbana” do povoado remonta ao Bronze final.

 

A população de Moron, culturalmente identificada com as civilizações mediterrâneas, foi subjugada pelos colonizadores romanos quando estes tomaram o castro, ficando este acontecimento inscrito para sempre na história local. Desconhecendo o significado da(s) palavra(s) indígena(s) Sqlab, os escritores romanos interpretaram-na como um topónimo e latinizaram-na sob a forma de Scallabis. Por este nome a cidade viria a ser conhecida durante todo o Mundo Antigo, quer nas fontes escritas, quer epigráficas.

 

De um entreposto comercial no Tejo médio, Scallabis adquiriu o estatuto de uma colónia cesariana nos finais do séc. I a.C., transformando-se rapidamente, pela sua localização geográfica, num importante centro administrativo.

 

A partir do século III d.C. a colónia romana de Scallabis retrai-se, face à importância crescente de Olissipo (Lisboa). Por essa altura o Cristianismo propagou-se no seu território, dando provavelmente origem a um pequeno bispado, constituído por altura da divisão do Império por Constantino.

 

 

Período Medieval (séculos V-XV)

 

 

A tomada de Santarém por Sunerico, em 460, dita o fim da dominação romana, abrindo caminho para a inclusão da cidade no reino visigodo, com capital em Toulouse.

 

 

É admissível que a civitas hispano-romana tenha mantido uma relativa autonomia, quer política, quer religiosa.

 

Os quatro séculos de ocupação islâmica (sécs. VIII-XII) fizeram renascer o papel estratégico-militar e económico do lugar.

Desta nova realidade beneficiaram os monarcas portugueses, desde a conquista definitiva por Afonso Henriques, em 15 de Março de 1147.

 

 

A importância de Santarém desde o século XII documenta-se por inúmeros privilégios que constam nos seus forais e reflete-se nos seus quinze e mosteiros e cerca de quarenta ermidas, dois paços realengos e vários palácios e solares da melhor nobreza do reino, distribuídos pelas suas quinze paróquias urbanas.

 O seu número e relevância testemunham uma opulência artística e cultural sui generis à escala do território português, ombreando com importantes metrópoles europeias.

 

 

A centúria de Quatrocentos marca o auge da vila de Santarém.

 Com D. João I e a “ínclita geração” foram preparadas com grande sigilo, no Paço Real da Porta de Leiria, as expedições a Ceuta e a Tânger.

Porém, a morte do infante D. Afonso, em Alfange (1491), como que anuncia um longo período de estagnação.

 

 

 

Período Moderno (séculos XV-XVIII)

 

 Num contexto em que Lisboa reforçava o seu papel de verdadeira capital e centro da nação, a Santarém quinhentista vai assumir-se como pólo regional a nível económico e cultural.

 

O apoio local dado a D. António, prior do Crato, na sucessão do trono de Portugal, implicou algumas represálias por parte de Filipe II de Espanha, tendo o monarca castelhano desembarcado na Ribeira de Santarém em 1581.

 Não obstante os sinais de descontentamento face ao domínio estrangeiro, a vila é ainda visitada por Filipe III de Espanha, em 1619.

 

Por volta do segundo quartel de Seiscentos notam-se grandes inquietações na vida da urbe, indiciadoras de um sentimento de revolta popular: há notícia de motins em 1629, 1636 e 1637.

 

A insegurança social e o agravamento da situação económica que estão na origem da Restauração da monarquia portuguesa, em 1 de Dezembro de 1640, tiveram junto aos paços do concelho um importante episódio: Fernão Teles de Menezes, 1º conde de Unhão, lidera os conjurados e procede à aclamação de D. João IV como Rei de Portugal.

 A ação deste nobre, descendente de Vasco da Gama, marcou de resto toda a história da urbe da 2ª metade do século XVII, tendo este período ficado conhecido, na história local, como “século do Conde de Unhão”.

 

Sob os auspícios da monarquia brigantina uma nova cidade vai nascer, influenciada pelas ideias do catolicismo tridentino, pelas correntes estéticas do maneirismo e pelas iniciativas públicas do Conde de Unhão.

Em consequência deste renascimento, edificam-se novos edifícios religiosos, dá-se um importante surto de ressurgimento de confrarias e a estratificação social atinge o seu auge.

 

 

Período Contemporâneo (séculos XVIII-XX)

 

O terramoto de 1755 e os conflitos armados em que Portugal se envolveu no século XVIII acabaram por refletir-se na estrutura de uma povoação que respirava ainda muitas das características da sua vivência medieval.

 O envelhecimento das muralhas, a inexistência de locais de aquartelamento e de cavalariças e de modernos espaços de assistência obrigou a um esforço notável de adaptação.

 

 

Durante o século XIX Santarém veste-se de roupagens românticas.

 Em 1868 a vila adquire o estatuto de cidade e esta nova categoria implicou a modernização do seu território, traduzida a nível das infraestruturas básicas e dos equipamentos lúdico-culturais.

 

Novas elites sociais, de pensamento anti-clerical e progressista, marcavam a cidade e as suas influências.

Exigia-se uma ‘cidade aberta’ e sob este pretexto o camartelo municipal passaria a sacrificar ao progresso vários edifícios que haviam resistido à fúria dos exércitos napoleónicos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

FONTE: C.M. Santarém

2 Comentários

  1. really nice article, very impressive. thanks for posting.

Deixe o seu comentário