Ribatejo Vinhos Vinhos do Tejo

CASAL DA COELHEIRA – CENTRO AGRICOLA DE TRAMAGAL (ABRANTES)

logo_fundo_verdeCENTRO AGRICOLA DE TRAMAGAL, SAG, LDA
ESTRADA NACIONAL 118, Nº1331
2205-645 TRAMAGAL
PORTUGAL

TELEFONE – 241897219
FAX – 241897802
EMAIL – geral@casaldacoelheira.pt

HORARIO
De segunda a sexta
9:00 – 12:30 e 14:00 – 18:30

sábado
9:00 – 12:30

A QUINTA

Photo0038Quinta do Casal da Coelheira está localizada no concelho de Abrantes na freguesia de Tramagal, junto ao rio Tejo que suavemente banha o vale dos seus Terraços que emprestam o nome a uma das nossas marcas, o “Terraços do Tejo”. A Quinta tem largas tradições no cultivo da vinha e na produção de vinho. Foi, no entanto, no final da década de oitenta que, sem deixar de preservar e melhorar os bons métodos tradicionais, e tendo em vista as exigências dos mercados, se introduziram modernas tecnologias e aplicaram novos e evoluídos conceitos tecnológicos.

vinhos
PCC08A Quinta do Casal da Coelheira estende-se por cerca de 250 hectares, distribuídos por várias culturas com destaque especial na área da vinha. Dedicamo-nos ainda à produção de culturas arvenses (milho e trigo) e horto-industriais com predominância da beterraba açucareira. A quinta possui também uma área de floresta com cerca de 25 hectares e um olival com uma área pouco expressiva.
A diversidade paisagística da exploração tem permitido a permanência de algumas espécies cinegéticas, naturalmente e especialmente o coelho (associado ao nome da quinta), mas também a lebre, a perdiz, a codorniz, o pato bravo e o javali.

A ADEGA

bea5decbe3309aad236e636e4fcc2473.wix_mpA aliança entre a tradição e a modernidade tem sido a chave da estratégia. Os princípios tradicionais de vinificação aperfeiçoados com a tecnologia enológica mais avançada, originam vinhos que vão ao encontro do consumidor actual mais exigente.

A adega data do primeiro terço do século passado, com a arquitectura tradicional do Ribatejo e o enquadramento de um bonito e agradável pátio interior. Enquanto os depósitos de cimento originais eram mantidos e beneficiados, a capacidade de vinificação e estágio foi aumentada com a introdução de cubas e lagares de inox com temperaturas controladas barricas de madeira nova das melhores origens onde vão repousar (estágio) os vinhos criteriosamente seleccionados. O sistema de vinificação é escolhido em função de cada casta e das suas características, de forma a potenciar o máximo das qualidades de cada uma. Os vinhos são mantidos separados por casta, até o enólogo decidir qual a combinação perfeita para cada um dos vinhos que produzem.

AS VINHAS

ZambuVinhasAs vinhas ocupam uma área de 64 ha, em terrenos maioritariamente arenosos. Produções controladas para baixas quantidades, por forma a atingir uma maior concentração e essência do fruto. A maturação ocorre entre meados de Agosto e fins de Setembro.

Actualmente a idade das vinhas está compreendida entre 1 e 35 anos, não se atingindo por isso o potencial máximo de todas as parcelas. O encepamento é diversificado com ribatejoespecial destaque para as castas nacionais de maior potencial qualitativo, mas não esquecendo as internacionais de grande referência. As castas brancas existentes são: Fernão Pires (casta tipicamente ribatejana), Arinto, Chardonnay, Malvasia e Tamarês, enquanto que nas tintas temos a Touriga Nacional, Touriga Franca, Alicante Bouchet, Aragonês, Trincadeira, Castelão, Cabernet Sauvignon e Syrah.

md_100022_5dbc72f521b75c2acd90dcc94dce17a8100_2202

cdc_resmd_207871_f15442ca06d886c7ff2d7533a530fc27

OLHAR SOBRE ABRANTES

História
ABTDesconhece-se a origem e significado do nome Abrantes, havendo contudo várias lendas sobre a sua etimologia.
A primeira prova documental da existência do núcleo populacional de Abrantes, data de 1155, porém, existem vestígios de ocupação romana e árabe nas margens do Tejo.
Na documentação do século XII, o topónimo Ablantes, era o mais referenciado. Supõe-se que a fundação de Abrantes, tenha ocorrido em meados do século XII, seguindo o modelo dos chamados “Concelhos Perfeitos”, resultado da necessidade de defesa dos territórios conquistados, por D. Afonso Henriques e de assegurar a vida activa de Santarém.

Mirante do Tramagal
Mirante do Tramagal

Para melhor salvaguardar a defesa deste povoamento, em 1173, D. Afonso Henriques, doou o Castelo de Abrantes e o seu extenso termo, à Ordem de S. Tiago de Espada. Seis anos mais tarde, concedeu-lhe o seu primeiro Foral (1179), que viria a ser reformulado por D. Manuel I, a 10 de Abril de 1518.
A história de Abrantes cruzou-se por diversas vezes com a monarquia, destacando-se os seguintes episódios históricos: foi de Abrantes, que D. João I (mestre de Avis), partiu para a Batalha de Aljubarrota, em 1385; no início do século XVI (1506 e 1507), aqui nasceram os Infantes D. Luís e D. Fernando, filhos de D. Manuel I, no antigo Paço Real (D. Manuel terá permanecido em Abrantes durante aproximadamente 20 anos, refugiando-se da peste que se fazia sentir em Lisboa); em 1641, depois de Lisboa, o povo de Abrantes foi o primeiro a aclamar D. João IV como rei, pelo que como prova de gratidão, este rei intitulou Abrantes de “Notável Vila de Abrantes” e consequentemente, consagrou a sua separação da Comarca de Tomar.

1Abrantes

Contudo, a importância que os sucessivos reis deram a Abrantes foi um pouco mais além, constando esta nos dotes de casamento de várias rainhas, das quais: D. Mécia Lopes Haro (1240 / 1243), D. Isabel (1281) e D. Leonor Teles (1372).

abrantes1

Em 1771, o comércio fluvial constituía uma actividade de peso na região, assim se mantendo, até inícios do século XIX. Localizada na confluência de três províncias, Abrantes tinha ao seu dispor uma vital via de desenvolvimento – o Rio Tejo, que lhe possibilitou uma diversificada actividade comercial com Santarém, Lisboa e ainda trocas directas com o estrangeiro. A localização geográfica de Abrantes, conferiu-lhe um acrescido interesse estratégico.

vista_abrantes

A 23 de Novembro de 1807, Abrantes foi ocupada pelas tropas francesas comandadas pelo General Junot.
Abrantes ascendeu à categoria de Cidade, em 14 de Junho de 1916.

Lenda de Abrantes
“Abrantes é uma antiquíssima cidade. Segundo alguns autores, terá sido fundada pelos Túrdulos 990 anos antes de Cristo, segundo outros foi fundada por galo-celtas em 308 a.C. Foi senhoreada por Romanos, Visigodos, Árabes e, por fim, em 8 de Dezembro de 1148, conquistou-a D. Afonso Henriques. Diz-se que os Romanos lhe chamavam Tubucci, os Visigodos Aurantes e os Árabes Líbia. Segundo a lenda, o nome de Abrantes data, mais ou menos, da época da conquista da fortaleza por D. Afonso Henriques, estando ligado a acontecimentos imediatamente posteriores.

tramagal_natal05 045

Consta que era alcaide do castelo um velho mouro chamado Abraham Zaid. Abraham tinha uma filha a que chamara Zara e um filho bastardo, de uma cativa cristã, a que pusera o nome de Samuel. Ninguém sabia, porém, que Samuel era filho do velho alcaide, nem o próprio rapaz. Assim, viviam os dois jovens apaixonados e o velho sentindo crescer em si, dia a dia, uma angústia terrível, antevendo a hora em que seria obrigado a revelar o seu segredo.
Um dia, diz a História, os cristãos foram pôr cerco ao castelo. A hoste era comandada pelo aguerrido Afonso Henriques, que trazia consigo vários cavaleiros e monges. Do Mosteiro do Lorvão trouxera o Rei um velho sábio monge beneditino para o aconselhar nos assuntos espirituais. De algures, de um local qualquer do reino, trouxera um cavaleiro cheio de ideias e de força guerreira, chamado Machado.
Ferida a batalha e conquistado o castelo, Samuel foi aprisionado por Machado. Na confusão do saque e da debandada moura, o cavaleiro, que acabara de desarmar Samuel, viu um peão perseguindo Zara com intuitos evidentes de violação, e, entregando o prisioneiro a dois vigias, correu em auxílio da moura. Com um forte empurrão derrubou o soldado, que estava ébrio, e amparando Zara foi entrega-la à custódia do velho beneditino, até que se acalmassem os ânimos exaltados pelo sangue, pelo saque e pelo vinho.
Quando o cavaleiro Machado retomou o seu posto, ia como que alheado. Ficara fascinado pela beleza da moura, estranhamente parecida com uma imagem de Nossa Senhora dos Aflitos que sua mãe lhe dera ao morrer e que ele, devotamente, trazia sempre consigo. Por outro lado, impressionara-o a repentina recordação de um sonho que vinha tendo frequentemente e no qual, ao escalar os muros de um castelo, se via salvando uma donzela com quem casaria. Tudo isto contribuía para o alheamento do jovem cavaleiro, que, se não fossem as suas obrigações de guerreiro, decerto se teria quedado em enternecida contemplação da bela Zara.
Entretanto, D. Afonso Henriques, querendo remunerar os serviços prestados naquela batalha pelo seu bastardo D. Pedro Afonso, deu-lhe o senhorio do castelo e nomeou-o seu alcaide-mor. Pedro Afonso, porém, desejava partir com o pai para Torres Novas e, por isso, decidiu delegar a alcaidaria no cavaleiro Machado. O Rei, antes de partir, mandou que o monge ficasse no castelo como guardião das almas, ordenou-lhe que entregasse a prisioneira a Abraham e tomou todas as medidas necessárias à segurança da vila.
Assim que a hoste se desvaneceu ao longe, na poeira, o cavaleiro Machado, feliz por ficar como alcaide do castelo, apaixonado por Zara, preparou-se para conquistar o seu coração utilizando os meios permitidos pelo código de honra da cavalaria, ou seja, os modos corteses e suaves. Mas Zara, que adorava Samuel, sentia uma espécie de rejeição cada vez que o cavaleiro se aproximava de si. E, para não fazer qualquer gesto mais brusco que comprometesse a boa paz em que viviam, pediu conselhos ao pai e ao velho monge. O frade, como confessor do cavaleiro, bem sabia o amor que ele tinha pela donzela, e, como bom observador, compreendia que nas evasivas de Abraham existia qualquer coisa de estranho. Por tudo isto, procurava conciliar toda a gente e assegurava a Zara a honradez e nobreza de sentimentos do jovem alcaide.
Samuel, porém, não conseguia viver em paz. Os ciúmes irrompiam nele à mínima alusão, ao mínimo gesto, sem que conseguisse controlar-se. E, na sua insegurança, tão depressa acatava as palavras conciliatórias de Zara, de Abraham e do monge, como ficava possuído pelo demónio da loucura, que o obrigava a cometer insânias.
Zara acreditava que Samuel estava compenetrado do seu amor e da sua fidelidade e pensava, por isso, que as acções destrambelhadas do rapaz provinham da sua mudança de situação para vencido de guerra. Assim, certa tarde em que tentava reconciliá-lo com o alcaide, perguntou ao pai como deveria proceder se o cavaleiro viesse procurá-la e ele não estivesse em casa: deveria manter a porta fechada como se não estivesse ninguém, ou recebê-lo-ia?
Abraham, julgando ver nesta pergunta um novo intuito de ofensa ao alcaide do castelo, para evitar mais problemas, respondeu: Nada temo nem receio da tua virtude, minha filha. E confio também na honradez do alcaide. Abre antes a porta!
Samuel, porém, ao ouvir estas palavras perdeu o domínio de si e correu para a rua, gritando como um louco: Abre antes! Abre antes!
A vizinhança acorreu, uns aos postigos, outros às vielas, a saber o que aquilo era, e Samuel, enlouquecido de ciúmes, contava a história à sua maneira, deixando agravados: o alcaide, Zara, Abraham e o próprio monge.
Conta a lenda, ainda, que Samuel acabou por cair de cansaço e de febre. Uma vez bom de saúde, Abraham juntou os filhos e contou-lhes a verdade sobre o nascimento do rapaz. Assim ficaram a saber que eram irmãos e que a mãe de Samuel fora uma bela cativa cristã que certo dia chegara a Tubucci chorando um noivo que deixara na sua terra, chamado João Gonçalves.
Rolaram lágrimas silenciosas pelas faces envelhecidas do frade beneditino. Ele fora esse João Gonçalves que, vendo a noiva desaparecer, crendo-a perdida para sempre, entrara para o Mosteiro do Lorvão. Pediu o monge a Abraham dados sobre essa cativa, para se certificar de que a mãe de Samuel fora a sua amada noiva. E vendo que os dados coincidiam, tomou o rapaz a seu cargo, conseguindo pô-lo ao serviço do Rei de Portugal.
Machado e Zara acabaram por casas, depois de os mouros se terem feitos cristãos, e dentro das muralhas da velha Tubucci reinou, finalmente, a harmonia.
E, segundo reza a lenda, em memória do febril acesso de loucura de Samuel, Tubucci passou a ser chamada Abrantes.”

FONTES: Página Casal da Coelheira e Câmara Municipal de Abrantes

4 Comentários

  1. Experimentei um tinto casal da coelheira no Brasil e apreciei muito.

  2. o vosso vinho branco fresco é um espetáculo, sou um grande apreciador do vosso vinho, provem um branquinho da coelheira fresco como uma talhada de melão é uma delicia

  3. concordo com o rodrigo, nao era apreciadora de vinho, comecei a experimentação com o casal coelheira tinto sou fã…

Deixe o seu comentário