Beira Interior Vinhos

ADEGA COOPERATIVA DA COVILHÃ

Adega Cooperativa da Covilhã, CRL

Quinta das Poldras

6200-165 Covilhã

 Telefone: + 351 275 330 750

Fax: + 351 275 330 759

E-mail geral:  info@adegacovilha.pt

Dep. Comercial:  comercial@adegacovilha.pt

 Web: http://www.adegacovilha.pt

Historial

“A cultura da vinha e produção de vinho têm raízes ancestrais na região. Em documentos como o foral da Covilhã aparecem referências ao vinho.

Neste foral de D. Sancho I, e datado de 1224, aponta-se a portagem devida à carga de vinho trazida ao mercado de “de carga de pão e vinho de três medalhas”.

Um outro documento do mesmo século – a carta de foro do Prior de Stª Cruz de Coimbra dada a Sieiro Esteves e sua mulher, referente a herdades no termo da Covilhã se refere “naquelas vinhas que já estão plantadas pagar-nos-eis a metade, das vinhas que aí plantardes a quarta parte”.”.

 

A Adega Cooperativa Covilhã foi fundada em 1954, com 147 associados, tendo efectuado a sua 1ª vindima em 1957.

Durante os primeiros anos da sua existência a Adega Cooperativa da Covilhã esteve mais vocacionada para a venda de vinho a granel, tendo mais tarde iniciado as primeiras iniciativas de engarrafamento e engarrafonamento manuais.

A partir da década de 70, a Adega Cooperativa da Covilhã decidiu investir na sua modernização com aquisição de novos equipamentos de enchimento.

No final da década de 80 , a adega comercializava três marcas, Pedra do Urso, Piornos e Conde Julião.

A partir da década de 90, na Adega Cooperativa da Covilhã operam-se mudanças e investimentos muito significativos, financeiramente, com uma aposta em linhas de engarrafamento, modernas e melhoria geral no processo de vinificação das uvas, que durou até ao ano 2000, ano em que fomos considerada a melhor adega do ano.

Em 2004, a Adega Cooperativa da Covilhã comemorou 50 anos de existência, 22 de Fevereiro de 2004, esta comemoração foi marcada pelo lançamento do 1º vinho Kosher português efectuado com a colaboração da comunidade judaica sediada em Belmonte.

Actualmente, com quase 500 associados e vinhas que apostaram na reconversão varietal, a adega continua a fazer grandes esforços de maior projecção regional, nacional e internacional.

Tem mais de 10 marcas comerciais activas, desde os vinhos correntes, DOC´s, licorosos e aguardentes, podemos referir com enorme segurança que o portfólio é de uma grandeza e diversidade inigualável.

 

Loja da Adega

A Loja da Adega Cooperativa da Covilhã é um espaço de venda ao publico onde são disponibilizados todos os vinhos que a adega comercializa.

Horário:

Segunda a Sexta-feira

10:00 – 19:00 h  (sem interrupção)

ALGUM PORTOFÓLIO

 

CASTAS

 

Castas Tintas

 

Jaen

 

Descrição Ampelográfica

• Ramo Jovem: Ápice vegetativo aberto, com pigmentação antociânica generalizada, de fraca intensidade e glabro, o que lhe dá uma tonalidade brilhante (Azeitada).

• Folhas Jovens: Amarelas, com fraca pigmentação antociânica e glabras na página inferior.

• Pampanos: Verdes nas 2 faces dos entrenós e vermelhos nos nós. Olhos sem pigmentação antociânica.

• Flor: Hermafrodita.

• Vigor: Médio.

• Porte: Erecto a meio-erecto.

• Época do Pintor: Precoce.

• Gavinhas: Distribuídas em 2 ou menos nós sucessivos e muito curtas.

• Folha Adulta: Pequena, pentagonal e quinquelobada. Página superior verde-médio, de perfil irregular e ondulação generalizada. Dentes médios e convexos. Seio peciolar aberto com a base em V. Seios laterais superiores fechados ou pouco abertos com a base em V. Página inferior glabra. Pecíolo mais curto que a nervura principal mediana e glabro.

• Cacho: Médio e compacto. Pedúnculo médio e com forte lenhificação.

• Bago: Pequeno e uniforme, arredondado e com secção transversal regular. Epiderme negra-azul com média pruína. Película espessa e hilo pouco aparente. Polpa não corada, mole, suculenta e de sabor especial. Pedicelo curto e de difícil separação.

• Grainhas: Com forte dureza do tegumento.

• Sarmento: Achatado, estriado-costado, castanho-escuro e glabro.

Aragonez

 

Descrição Ampelográfica

• Ramo Jovem: Ápice vegetativo aberto, com pigmentação antociânica generalizada, de média intensidade e fraca densidade de pelos aplicados.

• Folhas Jovens: Amarelo acobreadas e com média pigmentação antociânica. Página inferior da folha expandida com fraca pilosidade aplicada entre e sobre as nervuras, sendo a pilosidade erecta muito forte entre as nervuras e forte sobre as mesmas.

• Pampanos: Com estrias vermelhas na face dorsal dos nós e entrenós e verde na face ventral dos mesmos. Gomos com fraca pigmentação antociânica.

• Gavinhas: Longas. Distribuição regular descontínua com fórmula 02.

• Flor: Hermafrodita. Primeira inflorescência inserida a partir do 4° nó, com uma a duas inflorescências por ramo e de longo comprimento.

• Vigor: Forte.

• Época do Pintor: Precoce.

• Folha Adulta: Média, pentagonal e com mais de sete lóbulos. Página superior verde-médio, de perfil irregular e médio empolamento. Limbo enrugado com ondulação generalizada. Dentes longos, rectilíneos e convexos. Seio peciolar com lóbulos sobrepostos e com a base em V. Seios laterais superiores com lóbulos ligeiramente sobrepostos e base em U. Nervuras principais com muito fraca pigmentação antociânica. Página inferior com média pilosidade aplicada entre as nervuras, fraca sobre as mesmas, sendo forte a pilosidade erecta, entre e sobre as nervuras. Pecíolo mais curto que a nervura principal mediana, com fraca pilosidade aplicada e média erecta.

• Cacho: Médio e frouxo. Pedúnculo longo e de fraca lenhificação.

• Bago: Pequeno, uniforme, de forma arredondada e de secção transversal regular. Epiderme negra-azul, de cor uniforme e com média intensidade de pruína. Película média a espessa e hilo pouco aparente. Polpa não corada, rija, pouco suculenta e de sabor indefinido. Pedicelo médio e de difícil separação.

• Grainhas: Com forte dureza do tegumento.

• Sarmento: Elíptico, estriado e de cor castanha amarelada.

Touriga Nacional

 

Descrição Ampelográfica

• Ramo Jovem: Ápice vegetativo aberto, com média pigmentação antociânica na orla e média pilosidade aplicada.

• Folhas Jovens: Amarelas-acobreadas e com média pigmentação antociânica. Página inferior com média pilosidade aplicada entre e sobre as nervuras.

• Pampanos: Com estrias vermelhas nas 2 faces dos entrenós. Nós verdes na face ventral e estriados de vermelho na dorsal. Olhos com média pigmentação antociânica.

• Gavinhas: Distribuídas em 2 ou menos nós sucessivos e médias.

• Flor: Hermafrodita.

• Vigor: Forte.

• Porte: Horizontal.

• Época do Pintor: Média.

• Folha Adulta: Apresenta um grande polimorfismo, sendo a mais característica pequena, pentagonal e quinquelobada. Página superior verde-médio, plana, com fraco empolamento, enrugada e ondulação generalizada. Dentes curtos, rectilíneos e convexo-côncavos. Seio peciolar aberto com base em V. Seios laterais superiores abertos com base em U. Página inferior com fraca pilosidade aplicada e média erecta entre as nervuras, e sobre esta fraca pilosidade aplicada. Pecíolo mais curto que a nervura principal mediana e com média pilosidade aplicada.

• Cacho: Pequeno e compacto. Pedúnculo médio e com forte lenhificação.

• Bago: Pequeno, não uniforme, arredondado, e com secção transversal regular. Epiderme negra-azul com forte pruína. Película medianamente espessa e hilo pouco aparente. Polpa não corada, rija, suculenta e de sabor especial. Pedicelo curto e de difícil separação.

• Grainhas: Com forte dureza do tegumento.

• Sarmento: Achatado, estriado-costado, arroxeado e glabro.

Trincadeira

 

Descrição Ampelográfica

• Ramo Jovem: Ápice vegetativo aberto com pigmentação antociânica generalizada de fraca intensidade e com fraca pilosidade aplicada.

• Folhas Jovens: Amarelas com placas bronzeadas e fraca pigmentação antociânica. Página inferior com média pilosidade aplicada e fraca erecta entre as nervuras e fraca pilosidade aplicada sobre as mesmas.

• Pampanos: Verdes nas 2 faces dos entrenós e nós. Olhos sem pigmentação antociânica.

• Gavinhas: Distribuídas em 2 ou menos nós sucessivos e muito curtas.

• Flor: Hermafrodita

• Vigor: Forte

• Porte: Horizontal

• Época do Pintor: Média

• Folha Adulta: Média, pentagonal, e quinquelobada. Página superior verde-escuro, com perfil irregular, médio empolamento, enrugada e ondulação generalizada. Dentes médios e convexos. Seio peciolar com lóbulos sobrepostos e a base em V. Seios laterais superiores abertos coma base em V. Página inferior com fraca pilosidade aplicada entre e sobre as nervuras. Pecíolo mais curto que a nervura principal mediana e glabro.

• Cacho: Médio e compacto. Pedúnculo médio e com forte lenhificação.

• Bago: Médio, não uniforme, obov6ide e com secção transversal regular. Epiderme negra-azul com média pruína. Película espessa e hilo pouco aparente. Polpa não corada, mole, suculenta e de sabor especial. Pedicelo curto e de difícil separação.

• Grainhas: Com forte dureza do tegumento.

• Sarmento: Achatado, estriado-costado, amarelo e glabro.

Rufete

Descrição Ampelográfica

• Ramo Jovem: Ápice vegetativo aberto, com pigmentação antociânica generalizada e de forte intensidade. A pilosidade aplicada é forte e a erecta nula.

• Folhas Jovens: Acobreadas e de forte pigmentação antociânica. A página inferior da folha apresenta média pilosidade aplicada e nula a erecta entre as nervuras e sobre estas, média pilosidade aplicada e nula a erecta.

• Pampanos: Verdes com estrias vermelhas na face dorsal e ventral dos entrenós e dos nós. A pigmentação antociânica dos olhos é fraca.

• Gavinhas: Descontínuas e de médio comprimento.

• Flor: Hermafrodita.

• Vigor: Forte.

• Porte: Erecto.

• Época de Floração: Precoce.

• Época do Pintor: Precoce.

• Folha Adulta: Média, pentagonal, com sete ou mais lóbulos. Página superior verde-escuro, perfil irregular, empolamento fraco, enrugada e ondulação generalizada. Dentes longos e médios em relação à largura da base e convexos. Seio peciolar com lóbulos muito sobrepostos e base em V. Presença frequente de um dente no bordo e por vezes dois. Seios laterais superiores com lóbulos ligeiramente sobrepostos e base em V. As nervuras principais não têm pigmentação antociânica. A página inferior apresenta média pilosidade aplicada e fraca a erecta entre as nervuras assim como sobre as nervuras. Pecíolo curto e mais curto que a nervura principal mediana e tem fraca pilosidade aplicada e nula a erecta.

• Cacho: Médio e compacto. Pedúnculo médio e de forte lenhificação.

• Bago: Médio, uniforme. Ligeiramente achatado, secção transversal circular, cor da epiderme negra-azul, uniforme, pruína forte, película espessa, hilo pouco aparente, polpa não corada, mole, suculenta e de sabor especial. Pedicelo curto e de difícil separação.

• Grainhas: Com forte dureza de tegumento.

• Sarmento: Achatado, estriado costado, castanho amarelado e glabro.

Alfrocheiro Preto

Descrição Ampelográfica

• Ramo Jovem: Ápice vegetativo aberto, com pigmentação antociânica generalizada, de macia intensidade e com forte pilosidade aplicada.

• Folhas Jovens: Verdes com placas bronzeadas com fraca pigmentação antociânica. Página inferior com forte pilosidade aplicada entre as nervuras e fraca sobre as mesmas.

• Pampanos: Verdes nas 2 faces dos nós e entre nós. Olhos sem pigmentação antociânica.

• Gavinhas: Distribuídas em dois ou menos nós sucessivos e muito curtas.

• Flor: Hermafrodita.

• Vigor: Forte.

• Porte: Erecto a meio-erecto.

• Época do Pintor: Média.

• Folha Adulta: Pequena, pentagonal, quinquelobada. Página superior verde-médio, com perfil em goteira, fraco empolamento, enrugada e ondulação localizada no ponto peciolar. Dentes curtos e convexos. Seio peciolar com lóbulos sobrepostos e por vezes pouco aberto, com a base em V. Seios laterais superiores abertos, pouco profundos e com a base em V. Página inferior com fraca pilosidade aplicada entre as nervuras e macia sobre as mesmas. Pecíolo mais curto que a nervura principal mediana e com macia pilosidade aplicada.

• Cacho: Pequeno e medianamente compacto. Pedúnculo médio e com média lenhificação.

• Bago: Pequenos e uniformes no tamanho, arredondados e com secção transversal regular. Epiderme negra azul com forte pruína. Película espessa e hilo pouco aparente. Polpa não corada, mole, suculenta e de sabor especial. Pedicelo curto e de difícil separação.

• Grainhas: Com forte dureza do tegumento.

• Sarmento: Achatado, estriado-costado, castanho-escuro e glabro.

Castas Brancas

Arinto

Descrição Ampelográfica

• Ramo Jovem: Ápice vegetativo aberto, com pigmentação antociânica generalizada, de fraca intensidade e com fraca pilosidade aplicada.

• Folhas Jovens: Verdes com placas bronzeadas e média pigmentação antociânica. Página inferior com média pilosidade aplicada e forte erecta entre as nervuras, e, sobre as mesmas, fraca pilosidade aplicada e média erecta.

• Pampanos: Estriados de vermelho nas duas faces dos nós e entre nós. Olhos com fraca pigmentação antociânica.

• Gavinhas: Distribuídas em 2 ou menos nos sucessivos e longas.

• Flor: Hermafrodita.

• Vigor: Forte.

• Porte: Meio-erecto a horizontal.

• Época do Pintor: Muito tardia.

• Folha Adulta: Grande, pentagonal e quinquelobada. Página superior verde-médio, com perfil irregular, médio empolamento, enrugada e ondulação generalizada. Dentes médios e convexos. Seio peciolar pouco aberto e por vezes fechado com a base em V. Seios laterais superiores abertos com a base em V. Página inferior com fraca pilosidade aplicada e média erecta entre as nervuras e sobre estas, fraca pilosidade aplicada e erecta. Pecíolo mais curto que a nervura principal mediana e glabro.

• Cacho: Grande e compacto. Pedúnculo médio e com forte lenhificação.

• Bago: Médio e uniforme, com forma de elíptica curta e com secção transversal regular. Epiderme verde amarelada e com média pruína. Película espessa e hilo aparente. Polpa não corada, rija, suculenta e de sabor especial. Pedicelo curto e de difícil separação.

• Grainhas: Com forte dureza do tegumento.

• Sarmento: Achatado, estriado-costado, castanho-amarelado e glabro.

 Síria

 

Descrição Ampelográfica

• Ramo Jovem: Ápice vegetativo aberto, com pigmentação antociânica generalizada e de forte intensidade. A pilosidade aplicada é média e a erecta nula ou fraca.

• Folhas Jovens: Amarelas com placas bronzeadas e a pigmentação antociânica é média a forte. Na página inferior da folha apresenta forte pilosidade aplicada e nula a erecta entre as nervuras principais e sobre estas, média pilosidade aplicada e erecta.

• Pampanos: Verdes na face dorsal e ventral dos entrenós e nós. A pilosidade aplicada e erecta é nula ou fraca. A pigmentação antociânica dos olhos é nula ou fraca.

• Gavinhas: Descontínuas e de médio comprimento.

• Flor: Hermafrodita.

• Vigor: Médio.

• Porte: Erecto a meio erecto.

• Época de Floração: Média.

• Época do Pintor: Média.

• Folha Adulta: Média, pentagonal, quinquelobada. Página superior verde-médio, perfil irregular, empolamento fraco, enrugada e ondulação generalizada. Dentes médios e rectilíneos. Seio peciolar fechado com a base em V. Seios laterais superiores fechados com a base em V. A pigmentação antociânica das nervuras principais na página superior e inferior é nula. A pilosidade aplicada e erecta é média entre as nervuras e sobre estas. O pecíolo é curto e mais curto que a nervura principal mediana e com fraca pilosidade aplicada e erecta.

• Cacho: Médio e compacto. Pedúnculo médio e com forte lenhificação.

• Bago: Médio e não uniforme, ovóide, cor verde amarelada e uniforme, pruína média, película fina, hilo aparente, polpa não corada, mole, suculenta e de sabor especial. Pedicelo curto e de difícil separação.

• Grainhas: Com forte dureza de tegumento.

• Sarmento: Elíptico, estriado costado, castanho amarelado a glabro.

Fonte Cal

 

Descrição Ampelográfica

• Ramo Jovem: Ápice vegetativo meio aberto, com pigmentação antociânica generalizada, de muito forte intensidade. A pilosidade aplicada é média e a erecta nula.

• Folha jovem: Acobreada e a pigmentação antociânica é forte. Na página inferior da 4.ª folha apresenta média pilosidade aplicada e nula a erecta entre as nervuras principais e sobre estas fraca pilosidade aplicada e nula a erecta.

• Pâmpanos: Verdes com estrias vermelhas nas faces dorsal e ventral dos entre-nós e nós. A pilosidade aplicada e erecta é nula nos entre-nós e média nos nós. Os olhos têm fraca pigmentação antociânica.

• Gavinhas: Descontínuas e de longo comprimento.

• Flor: Hermafrodita.

• Vigor: Forte.

• Porte: Meio-erecto a horizontal.

• Época de Floraçãs: Média.

• Época do pintor Média.

• Folha adulta: Média, pentagonal, quinquelobada. Página superior verde médio, perfil irregular, empolamento fraco, enrugada e ondulação generalizada. Dentes médios e rectilíneos. Seio peciolar aberto com a base em U. Seios laterais superiores fechados com a base em V. A pigmentação antociânica das nervuras na página superior é de forte intensidade e média na página inferior. A pilosidade aplicada é forte e média a erecta entre as nervuras e sobre estas a pilosidade aplicada é fraca e forte a erecta. Pecíolo médio e mais curto que a nervura principal com pilosidade aplicada nula e média a erecta.

• Cacho Médio e muito compacto. Pedúnculo médio e de forte lenhificação.

• Bago Médio, não uniforme no tamanho e forma elíptica curta. Secção transversal circular, cor verde amarelada, uniforme, média pruína, película média, hilo pouco aparente, polpa não corada, mole, suculenta e de sabor especial. Pedicelo curto e de difícil separação.

• Graínhas Com forte dureza do tegumento.

• Sarmentos Achatados, estriados de coloração castanha amarelada (arroxeada) e glabros.

Fernão Pires

Descrição Ampelográfica

• Ramo jovem: Ápice vegetativo aberto com pigmentação antociânica generalizada, de média intensidade e com fraca pilosidade aplicada.

• Folha jovem: Amarela-acobreada e com média pigmentação antociânica. Página inferior com forte pilosidade aplicada entre as nervuras e sobre as mesmas fraca pilosidade aplicada e média erecta.

• Pâmpanos: Com estrias vermelhas nas duas faces dos entre-nós e verdes nos nós. Olhos sem pigmentação antociânica.

• Gavinhas: Distribuídas em dois ou menos nós sucessivos e curtas.

• Flor: Hermafrodita.

• Vigor: Forte.

• Porte: Horizontal.

• Época de Floraçãs: Média.

• Época do pintor: Média.

• Folha adulta: Pequena, pentagonal e quinquelobada. Página superior verde escura, com perfil irregular, fraco empolamento, enrugada e ondulação generalizada. Dentes curtos e convexos. Seio peciolar aberto e por vezes pouco aberto com a base em U ou V. Seios laterais superiores abertos com a base em V. Página inferior com média pilosidade aplicada e fraca erecta entre as nervuras e sobre estas forte pilosidade erecta. Pecíolo mais curto que a nervura principal mediana e glabro.

• Cacho: Médio e medianamente compacto. Pedúnculo longo e com forte lenhificação.

• Bago: Pequeno, uniforme, arredondado e com secção transversal regular. Epiderme verde amarelada e com média pruína. Película medianamente espessa e hilo aparente. Polpa não corada, mole, suculenta e de sabor especial. Pedicelo médio e de difícil separação.

• Graínhas: Com forte dureza do tegumento.

• Sarmentos Achatados, estriados, castanho-avermelhados e glabros.

Cuidados a ter no armazenamento

Garrafeira

Local rigorosamente limpo e seco

Ventilado

Escuro (ou uma luz tamisada)

Livre de vibrações

Temperatura relativamente baixa e constante

Garrafas

Guardadas em compartimentos com espaço suficiente para que o ar circule à sua volta

Devem estar deitadas

Vinhos generosos, aguardentes e vinhos licorosos são tradicionalmente conservados em pé

O vinho branco deverá ficar na zona inferior (mais fria), ficando o tinto na zona superior

Preparação dos vinhos a servir

• Retirar os vinhos da garrafeira com alguma antecedência (decantar, arrefecer, aquecer ou arejar).

• Deve ser servidos com completa limpidez.

• Como regra geral, os vinhos tintos devem ser abertos uma hora antes de servir.

• Cuidados a ter com a temperatura.

• Cada vinho tem a sua temperatura ideal para ser bebido. No entanto, essa temperatura deve ser atingida suavemente, através de procedimentos moderados. Não se deve aquecer nem gelar os vinhos.

Assim recomenda-se:

Espumante 4 – 6ºC

Branco doce 6ºC

Branco fresco leve 8 – 10ºC

Branco quente encorpado 10 – 12ºC

Branco verde 8 – 10ºC

Rosado 5 – 7ºC

Tinto fresco e leve 14ºC

Tinto quente e encorpado 15 – 16ºC

Tinto velho 16 – 18ºC (20ºC)

Os copos devem:

• Ser de vidro

• Possuir dimensão suficiente para se poder apreciar o aroma do vinho

• Ser transparentes para se poder apreciar o aspecto e a cor

• Possuir a forma apropriada a cada tipo de vinho

Considerações sobre a prova de vinhos

Fases da prova

 

• Observação

• Aspecto (limpidez, brilho)

• Cor

• Espuma

• Aroma

• Sabor

• Comparação

• Conclusão

Terminologia

A subjectividade da prova determinou que se procurasse definir uma uniformidade de expressão, de modo que os provadores se entendessem.

A terminologia que apresentamos a seguir, embora seja, de uma maneira geral, uma das mais correntemente utilizadas, é apenas uma das possíveis:

TERMINOLOGIA VINHO BRANCO VINHO TINTO
     
Aspecto Límpido
Empoado (ligeira turvação)
Turvo
Límpido
Encoberto
Turvo
     
Cor Citrina
Palha
Palha oxidado
Topázio
Rubi
Granada
Retinto
Vermelho-violeta
Vermelho-acastanhado
     
Espuma
Persistência
Cor
Persistente e fugaz
Branca
Persistente e fugaz
Esbranquiçada
Rosada
Avermelhada
     
Aroma Vinoso pronunciado
Vinoso atenuado
Vinoso comum
Vinoso prejudicado
     
Sabor Aroma e sabor frutado
Aroma e sabor estagiado
Aroma e sabor neutro
Aroma e sabor vinoso
Aroma e sabor alcoólico
Aroma e sabor altivo
Aroma e sabor nervoso
Aroma e sabor robusto
Aroma e sabor fino
Aroma e sabor doce
Aroma e sabor áspero
Aroma e sabor envelhecido
Aroma e sabor c/ bouquet
Aroma e sabor equilibrado
Aroma e sabor leve
Aroma e sabor possante
Aroma e sabor encorpado
Aroma e sabor franco
Aroma e sabor prolongado
Aroma e sabor macio
Aroma e sabor seco
Aroma e sabor adstringente

 

FONTE: A.C. Covilhã

3 Comentários

  1. Gostei das informacoes da adega parabens iraja almeida brasil

  2. Muita boa as informações dos vinhos e adegas

  3. Ja’ esperimetei o V.vinho PEDRA DO URSO que gostei bastanta, tanto em tinto como o branco.
    Mas em Lisboa tenho alguma dificuldade em encontrar embalagem grande (5 lt.), o supermercado CONTINENTE Amadora por exemplo, tem em garrafa mas nao em cartao.
    Gostaria de saber alguns dos pontos de distribuicao em Lisboa se possivel.
    Muito obrigada pela informacao.
    cidalia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.