VAI COM VINHO

VAI COM VINHO 19 por Tristão de Andrade

Vai com Vinho 19

Magistral é saborear um copo de vinho sem o espartilho preconceituoso da região, casta ou produtor.
Sem amarras.
Fechar os olhos e escutar guitarras. À procura de paladares, sabores e sobretudo emoções. Musicalidade e canções, tons e sons, cores e cheiros. Colocar os cinco sentidos ao serviço do momento e ainda adicionar as reações do espirito, a chama da alma e a eternidade. Ali a guardar na boca o néctar, a viajar no paladar. A usufruir da liberdade e a gozar as sementes da felicidade. No pleno direito de usufruir da ignorância para tocar o céu, a certeza de saber que nada sei, que ainda não provei todas as colheitas que a minha geração trará à luz do dia ou ao escuro das garrafas.
No final deste trago abro os olhos, olho em meu redor e sinto como tudo mudou. Como era antes e passou a ser depois. Apercebo-me de como consegui fazer o tempo parar, que esqueci as coisas tolas e mundanas que me incomodavam e regressei diferente.

A maior de todas as viagens é aquela que um Homem faz ao seu interior.

E o vinho ajuda, quer dizer, não sei se ajuda ou se simplesmente é o veículo para tal aventura. É o tapete voador que nos conduz mundo a fora, a bicicleta que nos permite sentir o vento no rosto, o carro que ronca nas retas e estremece a cada curva, o avião que sobrevoa os céus em segundos ou o foguetão que atravessa o universo à velocidade da luz. O vinho é o bilhete, o comboio e os carris. É o convite para ir a mil à hora. A ponte, o túnel e o asfalto. O trampolim que nos ajuda a dar o salto. De cá para lá porque para voltarmos já tem de ser pelo nosso pé.
Quem bebe vinho sabe como é.

Beber para esquecer.

Loucos são aqueles que no entanto bebem vinho para esquecer. São loucos e criminosos porque vinho que é vinho foi produzido precisamente para lembrar, para perdurar no espirito e na memória. Para gravar na história os momentos e a vida. Para ajudar a clarificar as ideias em turbilhão e celebrar a paixão. Não me lembro de alguma vez ter bebido para esquecer, pelo contrário, sempre para recordar e eternizar a viagem e o caminho porque tudo isto acontece num simples trago de vinho.

#tristaodeandrade

Deixe o seu comentário